Cabotagem e transporte rodoviário: 4 benefícios da gestão intermodal eficaz

Resumo

Se quiser, pule para a parte do seu interesse:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Com 7.400 quilômetros de litoral e quase 80% da população concentrada nos municípios litorâneos ou vivendo a distâncias de até 200 km da costa, o Brasil tem um potencial pouco explorado na integração do transporte intermodal, principalmente entre o modal rodoviário e a cabotagem – navegação entre portos do país.

Ainda que venha crescendo em ritmo intenso nos últimos dez anos, a cabotagem corresponde a apenas 11% da movimentação de mercadorias no Brasil. Para melhorar esse desempenho é preciso entender a importância de um sistema de transporte intermodal, explorar as melhores formas de integração entre a cabotagem e o modal rodoviário e conhecer as vantagens da utilização dos portos brasileiros.

Um sistema de transporte intermodal tem inúmeras vantagens. Além de tornar a movimentação de grandes volumes mais eficiente, faz com que a operação logística seja mais competitiva, sustentável, menos poluente e mais segura, já que reduz o número de acidentes e roubos nas estradas.

Para te ajudar a compreender melhor as potencialidades da integração entre a cabotagem e o transporte rodoviário, vamos explicar neste artigo o que é o transporte intermodal, qual a importância da cabotagem e apresentar 2 dicas e 4 benefícios da gestão intermodal eficaz. Fique conosco e boa leitura!

O que é o transporte intermodal?

O transporte intermodal utiliza dois ou mais modais de transporte para o deslocamento das cargas. A mercadoria sai do local de origem e chega ao destino sendo transportada por diferentes meios, que podem ser o rodoviário, aéreo, ferroviário ou aquaviário.

No Brasil, mais de 60% das cargas são transportadas pelas rodovias, mas fazer a integração entre modais é uma boa alternativa para quem deseja reduzir custos e aumentar a competitividade.

Entre as vantagens do transporte intermodal estão:

  • Controle de custos operacionais;
  • Ganhos em segurança, com menor incidência de roubos e acidentes nas estradas;
  • Flexibilização de horários para o transporte intermodal da carga;
  • Ganhos ambientais com redução de emissão de poluentes;
  • Maior liberdade para negociar preços e prazos;
  • Aumento da competitividade e lucratividade;
  • Aprimoramento dos processos logísticos.

Uma gestão eficaz permite combinar as potencialidades dos diferentes modais de transporte e confirma o status de maturidade operacional e logística da empresa.

Importância da cabotagem

A navegação por cabotagem é utilizada para o transporte de mercadorias entre portos do mesmo país, por via marítima, sem perder a costa de vista, ou por hidrovias. Pode ser também internacional, desde que mantida essa característica: navegação costeira, apenas entre países vizinhos.

Com mais de 170 instalações portuárias de carga, sejam portos e terminais marítimos ou instalações aquaviárias no interior do país, fora da costa litorânea, o Brasil tem um imenso potencial a ser aproveitado com a cabotagem.

A cabotagem é uma ótima alternativa para a movimentação de grandes volumes. Sua capacidade operacional gera ganhos de escala representativos com menores custos.

De acordo com o estudo Raio-X do Transporte de Cargas na Cabotagem e Navegação Interior no Brasil, desenvolvido pela ANTAQ, a cabotagem traz vantagens econômicas e competitivas, uma vez que permite reduções em:

  • Consumo de combustível por tonelada transportada;
  • Emissão de poluentes;
  • Custo por tonelada-quilômetro transportado;
  • Registros e ocorrências de acidentes.

Ainda conforme o levantamento, para transportar a mesma quantidade de carga de uma embarcação de seis mil toneladas, haveria necessidade de 172 carretas de 35 toneladas ou 86 vagões de setenta toneladas.

Segundo dados da Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem (ABAC), nos últimos dez anos foram investidos mais de R$ 3,5 bilhões em novas embarcações com bandeira brasileira. Até 2022 a expectativa de crescimento gira em torno de 35% na movimentação de contêineres de cabotagem no Brasil.

Integração intermodal

A cabotagem tem forte potencial no Brasil e pode representar uma alternativa de destaque na matriz de transporte de cargas. Isso não quer dizer que irá substituir ou competir com o transporte rodoviário, por exemplo.

A palavra certa é integração, já que a cabotagem faz o trecho intermediário da viagem e serve como conexão. Os trechos iniciais e finais, de porta-a-porta, sempre dependerão do transporte rodoviário.

A jornada para quem integra os modais rodoviário e cabotagem passa pela coleta, trecho rodoviário, porto de origem, porto de destino, trecho rodoviário e entrega.  Contar com um sistema eficiente para a contratação de frete e gestão de fornecedores faz toda a diferença quando se adota o transporte intermodal.

Esse gerenciamento inclui a seleção adequada do transportador, leilão de fretes de forma automatizada, programação das cargas e controle rigoroso da entrega no porto de origem e da coleta no porto de chegada, assim como o gerenciamento de risco das viagens rodoviárias e das demais etapas da operação.

Como não se trata de uma operação única, com coleta no fornecedor e entrega no cliente final em uma mesma viagem, o transporte intermodal exige a contratação de sistemas de monitoramento e controle que contemplem todas as etapas da movimentação da carga.

Monitoramento do início ao fim

A visibilidade para controle end-to-end e o acompanhamento do transporte marítimo entre o porto de origem e o porto de destino não podem ser negligenciados.

A rastreabilidade é um ponto essencial da operação, do início ao fim do processo, seja qual for o modal escolhido. A boa notícia é que existem soluções e parceiros especializados para ajudar nesta tarefa.

Manter a visibilidade total garante o acompanhamento e o rigor necessários à qualidade e à eficiência do transporte intermodal. A rastreabilidade deve ser ajustada a cada etapa do processo.

Isso porque nem sempre o transportador que faz a coleta no ponto de origem e a entrega no porto será necessariamente o mesmo que fará a retirada no porto de destino para entrega no cliente final.

Investir em sistemas de monitoramento em tempo real e em um plano de gerenciamento operacional adequado ao modelo intermodal é a melhor estratégia para lidar com tantas variáveis.

4 benefícios da gestão eficaz do transporte intermodal

Integrar o transporte rodoviário e a cabotagem traz vantagens às empresas que buscam redução de custos, competitividade, eficiência, segurança e sustentabilidade. Confira 4 benefícios da gestão eficaz entre esses modais.

1. Redução de custo

Estimativas apontam que, com a cabotagem, é possível reduzir em até 30% os custos operacionais. Apesar de extremamente interessante do ponto de vista econômico, atingir esse nível de eficiência na integração com o transporte rodoviário requer planejamento operacional.

Se bem programado, planejado e monitorado, o sistema de transporte intermodal reduz os custos e, consequentemente, traz ganhos em vantagem competitiva e em lucratividade. Melhora, inclusive, a gestão de custos com diárias, com sinistros e outros contratempos.

Ou seja, mesmo que não conte com benefícios fiscais ou isenção de impostos como ocorre com o óleo diesel para caminhões, integrar o transporte rodoviário com a cabotagem oferece importantes possibilidades no controle dos custos logísticos.

2. Menos exposição aos riscos

Concentrando cerca de 60% da movimentação de cargas nas rodovias, o Brasil é um dos recordistas em roubos de mercadorias e mantém índices preocupantes de acidentes de trânsito.

Com a cabotagem para o transporte de grandes volumes de cargas, a exposição aos riscos no setor logístico é amenizada.

A navegação entre portos reduz as perdas e os prejuízos causados pelas quadrilhas especializadas em roubos, diminui as chances de acidentes nas rodovias e, consequentemente, os riscos à vida de motoristas e às avarias nas cargas.

Ao transportar produtos por vias marítimas, é possível contar com maior controle e prevenção dos riscos, ampliando, consequentemente, os índices de segurança.

3. Ganhos em sustentabilidade e destaque como empresa ESG

Ao reduzir o número de viagens terrestres, a integração com a cabotagem proporciona menos impactos ao ecossistema. Para empresas dedicadas ao conceito ESG, a sustentabilidade é ponto fundamental na estratégia do negócio.

A meta de diminuir as emissões de CO2 e a necessidade de atender outras exigências da legislação ambiental podem ter na cabotagem uma aliada, já que o modal é mais sustentável e agride menos a natureza.

Outro aspecto é que a cabotagem ameniza o risco ambiental decorrente da emissão de gases pela queima de combustíveis utilizados nos caminhões ou vazamentos, em caso de acidentes.

A valorização da empresa que investe em operações mais sustentáveis, com ganhos para a imagem e a marca, são fatores que também devem ser considerados. Companhias preocupadas com o meio ambiente têm conquistado cada vez mais o respeito de clientes, colaboradores e parceiros.

Qualidade na entrega, eficiência na operação e processos logísticos “limpos” somam pontos frente à concorrência.

4. Aumento de carga transportada por km

Além de menores custos e exposição reduzida aos riscos, a cabotagem oferece a possibilidade de transporte em larga escala. Esse modal tem maior capacidade de circulação de grandes quantidades de cargas por longas distâncias em uma única remessa.

Um navio cargueiro, por exemplo, pode comportar o volume de mercadorias semelhante ao que seria transportado por 185 carretas. Comparada ao transporte rodoviário ou ferroviário, do ponto de vista dos custos, capacidade de carga e impacto ambiental, a cabotagem se apresenta como uma boa alternativa logística.

De acordo com um levantamento do Instituto Ilos, a cabotagem tem potencial para ampliar consideravelmente seu volume, caso absorva parte das cargas hoje transportadas pelo modal rodoviário. O estudo aponta que a cabotagem poderia “retirar das estradas” cerca de 22 milhões de toneladas de mercadorias por ano. Desta forma, o volume transportado pela costa brasileira chegaria a 44,2 milhões de toneladas/ano.

Sistema de transporte intermodal

O Plano Nacional de Logística Portuária prevê que, em 20 anos, a demanda por portos brasileiros deva crescer 92%. Sendo assim, a integração do transporte intermodal, com a conexão entre o sistema rodoviário e a cabotagem, tende a ganhar cada vez mais relevância.

É certo que contar com um sistema de transporte intermodal traz inúmeras vantagens, tanto do ponto de vista do serviço quanto do custo. Como mostramos neste artigo, o sucesso de uma operação integrada passa por uma gestão entre modais focada e assertiva, baseada em planejamento e visibilidade do início ao fim da jornada.

Não há cabotagem sem o transporte rodoviário para fazer as pontas iniciais e finais da operação. Então, o melhor caminho para o sucesso da jornada, com entregas eficientes, dentro do prazo e com custos reduzidos, é integrar o transporte intermodal utilizando toda a tecnologia disponível, sistemas modernos, parceiros especializados e apostando na ampla visibilidade logística.

Se você gostou das dicas sobre a gestão eficaz do transporte intermodal, acesse também esse conteúdo que preparamos para você saber mais sobre a importância da visibilidade logística no dia a dia do trabalho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open News!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das principais novidades no mundo dos transportes.

Posts relacionados

© 2021 Opentech Soluções em Gerenciamento de Risco e Logística. Todos os direitos reservados.
© 2021 Opentech Soluções em Gerenciamento de Risco e Logística. Todos os direitos reservados.